quarta-feira, 23 de abril de 2014

Nigel Hendroff - Guitarrista holandês do Hillsong

Nigel Hendroff, um dos mais criativos criadores de texturas para a música cristã contemporânea, esse guitarrista holandês é um dos principais músicos do Hillsong da Australia, um dos exemplos de timbres e criatividade que deveria ser seguido no meio gospel, apesar da grande melhora e o avanço que tenho observado acredito que muito coisa poderia ser melhorada, principalmente vindo do "mainstream" gospel brasileiro, em que arranjos manjados, produções ruins tem sido uma constante, peço-lhes por favor inspirem-se em coisas boas e novas, parem de ser clichês e medíocres, Deus deu criatividade em boas doses para todos usarem em quantidades ilimitadas, e com pouco pode-se fazer muito.
Criar boas dinâmicas de banda para executar uma canção, principalmente nas igrejas,cujo é onde a música desse grande guitarrista mais é prestigiada, é um desafio que se for levado a sério, ou com esforço, pode ser alcançado com êxito, prestem bastante atenção no seu trabalho, em seu legado, sua simplicidade, suas harmônias seus nuances musicais, busque na internet ou compre uns DVDs do Hillsong e veja alguns dos workshops onde ele demonstra suas técnicas, efeitos e timbres e como ser funcional mesmo com simplicidade, você não precisa ser nenhum Steve Vai para tocar suas músicas e fazer um grande timbre de guitarra.
Irei demonstrar aqui um pouco do equipamento usado por esse grande guitarrista.





Dentre alguns pedais q ele utiliza estão ai duas pedaleiras, como você pode observar ele gosta de ter muitas opções de delay.



o mais curioso é que durante a passagem do Hillsong pelo Brasil em 2009 eu tive contato com o técnico de som da igreja em que ele se apresentou, e os timbres tirados da Duosemberg eram de outro mundo, perfeito, equilibrado, brilhando e encorpado, ela ia para uma caixa da YAMAHA e sem amp, segundo o técnico, era guitarra > Pedaleira > Caixas YAMAHA (Lamento mas ele não soube informar q caixas eram, apenas que eram 2 de 12") mas o grande lance era a captação, o microfone, provalvelmente um shure SM57 (ou não!) captava o som pela traseira das caixas e não na saída do cone, incomum esse tipo de captação, porém a vi uma vez em um programa de televisão em que os toscos Mc Fly colocavam seus potentes Mesa Boogie de costas para o público e para o MIC, imaginei q fosse por causa da potência, mas hoje percebo que é uma alternativa amais de microfonação, agora o que eu estava fazendo em uma tarde de domingo vendo Faustão e pior, Mc Fly????? Eu não sei.... vou inventar uma desculpa idiota e explico mais tarde.
Para limpar sua mente, vou por um vídeo que foi muito bem selecionado por 3crthebest, que como eu também é um admirador de Nigel, veja.